mainieri's

quinta-feira, setembro 23, 2010

Invasão urbana






Desejei
ser anônimo.

Limitada
a sociedade já o é.

Perco-me pois
em meio à multidão informe.

Celulares no banheiro
Ipods no ônibus
câmeras & controles digitais.

Queria silêncio
um pouco quem sabe.

Até o sabiá não me respeita.

Seu canto
mistura-se ao pagode hip-hop
gritos & gemidos guturais.

Serei então invisível.

Aqui na terra
ou numa colônia do astral.

Na erraticidade
quem sabe
eu saboreie a paz...


Ricardo Mainieri

3 Comentários:

  • verdade, Maini, raros os que preservam sua identidade nesse mundo tecnoIlógico. pior, nos obrigam a participar de suas escolhas..outro dia uma guria ouvia um funk no celular, sem fone de ouvido e volume no máximo, impondo seu gosto duvidoso a quem estivesse no recinto.
    vontade de ser invisível e surda...rss

    bela construção poética, meu caro! talvez só lá - no nosso lar ou seja lá o que nos aguarda - se tenha um pouco de paz e nenhum espírito de porco..rs

    beijo, bom fds!

    Por Blogger valéria tarelho, Às 9:01 AM  

  • Que significativa incursão pela tecnologia que, sim - por vezes sufoca. Já o canto da ave símbolo do Brasil é quase uma composição de Mozart! Tem um sabiá que canta toda a primavera e parte do verão à minha janela!
    Beijos

    Por Blogger Tere Tavares, Às 11:32 AM  

  • Incrível como o mundo contemporâneo nos "puxa" pra fora de nós e como isso faz crescer necessidades múltiplas de silêncios... é real: n dá pra segurar cantos de sabiás misturados aos hip-hop... a opacidade do mundo choca, Sartre tinha razão!!

    Bonito seu Blog, poeta!

    Por Blogger JUSSARA MIDLEJ, Às 3:22 PM  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]



<$I18N$LinksToThisPost>:

Criar um link

<< Página inicial