mainieri's

quinta-feira, agosto 05, 2010

Vampirismo






Por vezes, você está distraído.
Naqueles momentos de reflexão ou de olhar para o horizonte. Assim, meio zen.
Aí, surge a figura. Normalmente gentil e frágil, a um primeiro contato.
Ele lhe conta das desventuras da vida. De sua falta de reconhecimento. Lembra um Woody Allen mais jovem.
Você sente pena, empatia. Começa a consolá-lo.
Ele, como criança birrenta, reclama de suas investidas. Reinaugura o mito do amor incondicional.Quer olhos, nariz, ouvidos, pele e boca ligados ao que fala.
Hipnotizados, por seu pensamento circular.
Deseja uma vida onde só exista o ego. O superego é um ser muito indesejado.
E você sente-se esgotada. A cada elogio, ele se reforça. A cada puxada discreta nas orelhas, ele se revolta.
E aí, amiga, você não sabe o que fazer.
Não lhe resta nem o recurso do conto de Borges, onde diante do inevitável da morte o personagem acorda.
Como um vampiro pós-moderno, ele vai lhe sugando as energias.
Um dia você explode.E a guerra está declarada.

Ricardo Mainieri

1 Comentários:

  • Uma metáfora bem-humorada para o exclusivismo sufocante. Gostei.
    Muito bom teu Blog. Há muito não o visitava, virei com mais frequência.
    Beijão,
    Jade

    Por Blogger Jade, Às 4:54 PM  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]



<$I18N$LinksToThisPost>:

Criar um link

<< Página inicial