mainieri's

quinta-feira, agosto 19, 2010

Quarto-crescente






A bem da verdade, já não era sexta-feira e sim, madrugada de sábado. Fazia calor, o rio exalava um cheiro acre, e naquele bar, onde quase todos se conheciam, ele, que a poucos conhecia, tocava.

Não era bonito. Camisa em desalinho, sem gravata, calça social, sapato horrível, paletó esquecido numa cadeira qualquer. Viera de um casamento. E tocava como um deus. Um deus tropical, trôpego e lascivo, com olhos de anjo, boca e mãos de cafajeste.

À saída, beijou-a sem pedir licença. Longamente. A ela, que não o conhecia. Depois, olhou-a nos olhos e disse que tanto a esperara. Ela riu. Conversa fiada, pensou. Nada disse. Deixou que a beijasse de novo antes de partir.

Amanhecera. O calor aumentara. O hálito do rio sossegara. Os amigos se entreolhavam. Ninguém entendera nada. Nem ela. Mas os dias nunca mais foram banais como antes.



Márcia Maia
_________________________________________


Márcia Maia é médica no Recife. Também, ótima contista
e poetisa. Leiam mais em seu blog:Clique aqui

2 Comentários:

  • Gostei de conhecer a escrita de Marcia Maia. E também passarei, com mais vagar, no blog.
    Abraço

    Por Blogger Tere Tavares, Às 10:47 PM  

  • Ôxe, eu pensei que já tinha comentado e agradecido.
    Obrigadíssima, amigo.
    Um beijo grande daqui.

    Por Blogger Márcia Maia, Às 7:54 AM  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]



<$I18N$LinksToThisPost>:

Criar um link

<< Página inicial