mainieri's

quinta-feira, janeiro 05, 2012

Carta a um maduro poeta






Amigo poeta, li detidamente tuas colocações sobre a poesia nos meios virtuais e concordo contigo sob certos aspectos.

Existe uma proliferação de material poético escrito no Facebook e outras redes sociais. Boas produções, textos medianos mesclados com um sem-número de poesias de fôro íntimo.

Sinto um clima de urgência nas pessoas, o que resulta, em muitas vezes, num texto, ainda, sem o devido acabamento. Algum material literário, realmente, não vai ir muito além da função catártica das vivências e emoções do autor.

No entanto, a publicação de textos em grupos de adesão literária envolve uma possibilidade de crescimento.

Se a pessoa possuir a necessária humildade de assimilar críticas, de buscar a constante reelaboração de sua poética, seu texto pode sair ganhando em algum decurso de prazo.

Claro, nem todos conseguirão transcender o nível confessional. Alías, a maioria nem quer, mesmo.

No entanto, creio que o poeta que interage com os outros, que se propõe a ver seu texto como um ser mutante, pode sair ganhando nesse processo.

O livro impresso é um Graal que todo o escritor persegue, mas os caminhos que levam a ele, bem que podem passar pelo convívio internético.

Separar a pérola dos excrementos do molusco, eis a tarefa.


Ricardo Mainieri

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]



<$I18N$LinksToThisPost>:

Criar um link

<< Página inicial