mainieri's

terça-feira, agosto 30, 2011

Navegador de barco de papel





foto clicada pelo autor


O pequeno barco do caderno escolar levanta âncora no bolso do homem sério e triste.

Um homem circunspecto, com tantos casos para decidir.

Quem o vê saindo assim para o trabalho, de manhã cedo, terno, gravata e pasta, não imagina o que leva no coração.

Olha o mundo através das grossas lentes dos óculos, carrega perplexidades e sonhos que ninguém percebe.

O barco de papel desliza entre as vagas do dia pesado e cinza.

O navegador sonha a fuga do real, ao avistar o Guaíba da janela do gabinete.

A cidade vive dentro do rio uma existência invertida. No fundo das águas habitam seres harmoniosos, os gestos são calmos, existe esperança.

O navegador planeja o exílio do mar de conflitos e sofrimentos em que mergulha todos os dias.

No fim da tarde, caminha até a beira do rio, retira o barco do bolso, solta-o na água. Larga a pasta, tira a gravata, o casaco, os sapatos, empurra a embarcação e salta para dentro.

O vento com cheiro de água doce e dos peixes que nela vivem expande a vela rumo ao Sul. Na quilha do barco o colorido infantil dos lápis de cor.

As ilhas observam a absurda solidão das pessoas no continente, a falta de amor, a falta de justiça.

Ele deita-se no fundo do barco, exausto, as mãos atrás da nuca. Olha as estrelas e a lua que aparecem aos poucos no céu. Anseia um lugar em que possa ter tempo pra sentir, pensar, conviver, olhar a paisagem.

Peixes prateados saltam pelos lados do barco, nadando na mesma direção.

O sol se põe.

Estar só no crepúsculo é o de menos.

Difícil é largar o barco dentro d’água, soltar a vela, buscar outras margens.

Difícil é não ser igual à pedra nem se dar por vencido.

No fim de todas as tardes, ele foge com o menino que mora dentro dele.

A felicidade civil de sentar no barco, olhando a cidade de longe, o movimento dos aguapés, a aquarela do pôr do Sol.

O rio abraça a cidade e suas dores.

O navegador do barco de papel presta atenção no ritmo das ondas, nas gaivotas, biguás, reflexos.

O rio está povoado de céu e peixes (sim, há peixes vivos, estrelas e nuvens dentro do rio).

Sinos tangem a música do entardecer sobre as águas do Guaíba.

Outra realidade habita o ermo das coisas.

O coração das pessoas é diferente do que parece ser.

O poder e a vaidade perdem o homem.

Barcos de papel, às vezes, podem salvá-lo.


Jorge Adelar Finatto

---------------------------------------------------------------

Jorge Finatto é juiz aposentado, jornalista e escritor.
Se gostaram da amostra, visitem seu blog: clique aqui

3 Comentários:

  • Meu Caro Poeta Ricardo.

    Só posso agradecer o teu gesto. Visitar o teu blogue é, como sempre, motivo de alegria pra mim. Estar nele com o texto e a foto é uma grata felicidade.

    Um grande abraço.

    Jorge Finatto

    Por Blogger ofazedordeauroras, Às 2:56 PM  

  • Maravilhoso..adorei!!

    Por Blogger Lia Noronha, Às 9:43 PM  

  • aff! que lindo!
    barcos de papel em que posso navegar também fazem parte de minha vida diária...e no Guaíba, tu sabes, habita junto a seres calmos e harmoniosos, o meu coração... que neste rio encontrou paz, um dia...
    bjo grande

    Por Blogger lisieux, Às 8:05 PM  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]



<$I18N$LinksToThisPost>:

Criar um link

<< Página inicial