mainieri's

quarta-feira, setembro 09, 2009

Poesia: partilha simbólica






Ao se fazer uma busca no GOOGLE, a palavra partilha é encontrada, principalmente, como expressão do meio jurídico. No caso, o formal de partilha feito por ocasião do inventário.

No entanto, pretendo falar de partilha, sob outros aspectos. Quero dizer de coisas que se dividem, não a nível monetário ou de bens, mas de poesia, como uma espécie de comunhão.

Pois, a poesia é um bem de baixo valor agregado. Simbólico. Não pode ser considerada, na linguagem dos economistas, uma commoditie confiável.

A poesia é economicamente estéril, não gera lucros. Por isso, não movimenta mercados futuros, nem salda dívidas passadas...

É apenas uma coleção de imagens & palavras que se desfazem no ar...(perdoe-me, Marshall Berman, pela livre-associação com o título de seu livro)

Entretanto, repousa profunda dentro de nós. Basta entrar em contato com um poema bem escrito. Fruir sua seiva de sons & imagens. Neste momento, temos a sensação, inequívoca, de provar um néctar de sutilezas.

Como um segredo cálido, a poesia se desnuda aos olhos de cada leitor.

Uma sucessão de véus e sons que vão se mostrando, a cada nova leitura. Com sensualidade, envolvimento.

Fiquem, então, com a poesia:




Cegueira


Poesia
deixou rastros.

Não percebi.

Mostrou-se nua.

Meus olhos
eram só sintonia
para o mundo
concreto e factível.

Imerso
nas correntes oceânicas
dos compromissos
a desprezei.

Ela tornou a voltar.

Arrependido
abracei-a em estrofes.

Ela ficou comigo.


Ricardo Mainieri

5 Comentários:

  • Encantador, Ricardo!

    Se me permite,
    pareceu-me apenas controvertido
    o verbo aprisionar.
    Não ficaria mais leve
    se a abraçasse em estrofes? : )

    Um beijão,
    doce de lira

    Por Blogger Renata de Aragão Lopes, Às 9:52 AM  

  • Fiquei feliz
    por haver considerado
    minha sugestão.

    O acontecimento
    tem tudo ver, inclusive,
    com o que disse acima:
    poesia é partilha! : )

    Por Blogger Renata de Aragão Lopes, Às 10:04 AM  

  • hoje também falo de partilhas...
    e a poesia é um bem, imaterial ou não, a ser compartilhado.

    beijo.

    Por Blogger nina rizzi, Às 5:58 PM  

  • Avaliar a poesia para além do "entusiasmo criador, inspiração", mais me parece uma forma de respirar, ou reconhecer na partilha dessa arte, algo que tenha essa mesma cadência; a de não se permitir sufocar ou ter como destino o esquecimento do pensar, e então frasear, versar: o ouro é de quem ousa! A leitura também. Beijo amigo Ricardo.

    Por Blogger Tere Tavares, Às 8:18 PM  

  • Querido Ricardo,

    é isso mesmo:" a poesia deixa rastros" na alma, de forma absolutamente marcante. Felizes os que a exultam, pois são riquíssimos :)

    1 Bj*
    Luísa

    Por Anonymous antes blog do que nunca!, Às 11:21 AM  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]



<$I18N$LinksToThisPost>:

Criar um link

<< Página inicial