mainieri's

terça-feira, outubro 10, 2006

Em busca do silêncio perdido


Aristides deixara a cidade em busca de repouso. Trabalhara o ano inteiro, em meio ao tumulto do centro urbano com suas buzinas, ambulantes, pedintes e assemelhados a lhe extorquir sempre alguma atenção. Volta e meia, compressores e marteletes rompiam o asfalto no lançamento de novas redes de água e telefonia. O barulho era ensurdecedor.

Benditas férias, pensava. Agora, poderia se dedicar a contemplar o mar, o céu sem nuvens, as beldades que circulavam em biquínis sumários, sem maiores preocupações.

Neste momento, observava as montanhas ao longe e logo ali a praia e os edifícios perfilados. Estava em Balneário Camboriú, onde a natureza havia sido pródiga em paisagens. Defronte, uma ilha paradisíaca, logo adiante um teleférico de onde se vislumbrava a cidade e muitas mulheres lindas espalhadas pela areia.

Sentiu sede. Foi até o quiosque e pediu uma caipirinha de vodka. Com bastante gelo, enfatizou. Um grupo de jovens havia estacionado seu carro nas proximidades e aberto o porta-malas, de onde se sobressaiam pesados alto-falantes.

Sem maiores rodeios, o cd-player foi ligado e Zeca Pagodinho começou a animar a praia em volumosos decibéis. Aristides odiava pagode e, contrariado, ouvia tudo aquilo. Logo se formou um grupo e a dança teve inicio. Corpos rodopiando, munidos de copos de cerveja e muita energia , a festa prometia ser animada. Passaram-se minutos, eternos para Aristides, novos Cds foram sendo colocados e ele, para não se incomodar, bateu em retirada.

Deslocou-se para um local mais distante. Estendeu sua esteira e fechou os olhos. Enfim paz, em meio ao vaivém suave das ondas, ao canto distante dos pássaros. Entretido estava em suas reflexões, quando escutou palavras em um idioma estrangeiro. Abriu seus olhos, lentamente, e vislumbrou um grupo de cerca de três famílias argentinas completas. Vinham todos: la abuelita, los niños y niñas, los señores y señoras.

De imediato, a balbúrdia se instalou. Crianças corriam e tropeçavam em sua esteira, homens bebiam uísque previamente trazido em uma caixa de isopor, mulheres tagarelavam sem parar.

Logo, estavam todos bêbados e cantavam tangos e boleros, num coro desafinado e irritante. Aristides pensou em gritar, chamá-los de “hijos de la puta”. Porém, vendo o estado alterado da turma e a desvantagem numérica, pegou seus pertences e clamou por um táxi, sentindo seu corpo arder pela prolongada exposição solar.

Um carro reduziu a marcha e parou. Ele, rapidamente, assumiu o banco traseiro. Disse ao motorista :
- Por favor, Hotel Central.
- O senhor já vai tão cedo da praia?
- Não agüento mais os argentinos. São barulhentos e inconvenientes.
- Meu senhor, eles são a fonte de sustento de Balneário Camboriú.
- Hijos de la puta, isso é o que são.

O condutor resolveu ficar calado. O passageiro sempre tinha razão...
- Chegamos, meu senhor

Pagou ao taxista e, quase correndo, dirigiu-se ao quarto. Enfiou-se no banho, esperando se redimir de toda aquela algazarra, enquanto a água tépida percorria seu corpo. Tinha decidido: iria voltar à cidade, não agüentava mais tanto barulho. Pegaria sua mala, pagaria a conta do Hotel e iria, imediatamente, à rodoviária.

Saiu do banho, enrolado em uma toalha. Deitou-se na cama. Logo, o sono veio lhe fazer companhia. Amanhã, faria isso. Adormeceu, nu e feliz. Finalmente o silêncio se instalara. Ao longe, podia-se notar o ruído de marteletes e compressores rompendo o asfalto. Vou virar de lado, pensou, acredito que seja, apenas, um sonho...


Ricardo Mainieri

7 Comentários:

  • Belo post, Ricardo. Texto belo, poético! Visite meu blog e saiba mais sobre o desmonte do Estado sonhado por Alckmin!
    Abraço.

    Igor

    Por Anonymous Igor Romanov, Às 10:14 PM  

  • olá, posso levar um poema seu lá pro meu espaço (outros poemas)?

    Por Blogger Wilson Guanais, Às 11:57 PM  

  • sossego em balneario camboriu? trata-se de um paradoxo :))

    abraços
    Rubens

    Por Blogger Rubens da Cunha, Às 8:31 PM  

  • levei o poema.

    abraço.

    Por Blogger Wilson Guanais, Às 12:26 AM  

  • Ricardo, novidades literárias, hein! Também vi o poema no blog do Wilson Guanais e deixei recadinho por lá. Beijo pra ti, meu poetamigo (e que venha a prosa...)

    Por Blogger Ana Maria Ramiro, Às 1:17 AM  

  • Foi muito bom ler isso, me sinto compreendida... é impressionante, é assim mesmo, é isso mesmo, pura realidade. Abraço forte!

    Por Anonymous Alessandra Espínola, Às 1:37 PM  

  • O Rubens me roubou a piadinha, Ricardo: Camboriú já era assim em 89! :)
    Belo texto, muito bem escrito.
    Beijos,
    Ana

    Por Anonymous Ana Guimarães, Às 6:14 PM  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]



<$I18N$LinksToThisPost>:

Criar um link

<< Página inicial